Trabalhadores independentes e tributação de ganhos

A CRN-Contabilidade, parceira da Glovo, preparou conteúdos sobre contabilidade com o objetivo de esclarecer algumas das principais dúvidas dos estafetas que colaboram connosco.

Os estafetas da Glovo são utilizadores que querem facilitar a vida a outras pessoas ao entregar-lhes o que precisam, quando precisem. São profissionais independentes que escolhem quando fazer entregas em horários pré-agendados, usando um veículo próprio.

Também chamados de trabalhadores a recibos verdes, os profissionais independentes são prestadores de serviços que abrem atividade nas Finanças e trabalham por conta própria (e não por conta de outrém). Deste modo, são responsáveis pela própria contabilidade, contribuições sociais e pagamentos de impostos.

Os interessados em colaborar com a Glovo devem abrir atividade nas Finanças com os códigos 1519 ou 53200. A abertura pode ser feita diretamente na repartição de Finanças mais próxima ou com ajuda de um contabilista, por meio do Portal das Finanças. É importante saber que documentos como NIB (do banco), Cartão Cidadão (ou título de residência, ou passaporte) e NIF são necessários na hora da abertura de atividade. Ao trabalhar por conta própria, o profissional independente pode escolher, dentro dos limites legais, o método de apuramento dos seus impostos (contabilidade organizada ou regime simplificado).

Regime Simplificado
Ter contabilista contratado é opcional;
O trabalhador independente deve realizar a entrega trimestral da declaração com os valores do trimestre anterior à Segurança Social, em Abril, Julho, Outubro e Janeiro;
É necessário preencher o Anexo B, no modelo 3 IRS;
Caso não ultrapassar os 12500€ poderá optar pelo regime de isenção (Anual);
Aplica-se o coeficiente 0,75 sobre o volume de negócio.
Contabilidade Organizada
O trabalhador deve obrigatoriamente possuir contabilista;
O cálculo da Segurança social é sobe o lucro da atividade;
A declaração trimestral a enviar à segurança social é dispensada;
Abate-se/Deduz-se ao lucro os prejuízos de até 5 anos anteriores;
O estafeta deve efetuar o Preenchimento do Anexo C do Modelo 3 do IRS;
O contribuinte é tributado no valor resultante da multiplicação do coeficiente ao rendimento bruto (sem IVA).

Aconselhamos sempre um acompanhamento por parte de um Contabilista, pois as regras fiscais estão sujeitas a alterações.

Se precisares de assessoria fiscal mensal ou pontual, a CRN está a oferecer descontos e planos de contabilidade para estafetas que colaboram connosco. Clica aqui e confere.

Este artigo foi útil para ti?